Brasileiros de mudança para os Estados Unidos *

 

(…)“Decidimos fazer uma mudança planejada para trazer para os filhos a perspectiva de viver num país com economia mais estável”, conta. O primogênito, Mathias, de 21, chegou antes, para fazer faculdade na Califórnia e motivou a guinada na vida da família. Paola e o marido, Roberto, que é advogado, venderam uma lavanderia industrial em São Paulo e redirecionaram os investimentos para os EUA, o que fez com que eles aplicassem para uma categoria de visto específica para investidores, o EB-5.

“A gente adora desafio. Isso mobiliza e motiva a gente. A sensação de segurança e a estabilidade econômica são pontos fortes. É um desafio de começar do zero num país diferente. Nossa experiência de vida ajuda a acelerar o processo. Mas, para recomeçar, tem que ter muita humildade”, avalia. Ela recomenda cautela e planejamento para quem quer emigrar. “Às vezes, você acha que vai ter sucesso, mas o mercado é muito diferente, com muito mais concorrência”, diz Paola. O Departamento de Estado do governo norte-americano aponta aumento de 27% na concessão de vistos para emigrantes brasileiros, passando de 3.502, em 2017, para 4.458, em 2018….

…A formação superior em engenharia química abriu caminho para que o mineiro de Varginha, Matheus Comunian, de 38 anos, pudesse embarcar com a esposa, Amanda, de 34, e o filho Matheus Dande, de 15, para morar nos Estados Unidos, há três anos. Dono de uma loja de carros em Extrema, no Sul de Minas, ele entrou na rota dos emigrantes por causa de outra onda: a de descrédito no Brasil. “Dentro de mim, tinha a certeza que, se o Brasil continuasse com os mesmos políticos, teria o mesmo destino da Venezuela”, diz.

Atualmente, ele trabalha como vendedor numa concessionária de carros e espera ser promovido para o setor financeiro, já que atuou no setor por 13 anos. “O que mais me motivou a mudar foi trazer meu menino. Ele está na High School (ensino médio), já aprendeu inglês e espanhol. A escola é gratuita e não tem nem comparação com a daí”, conta. “A saudade é muita. Os EUA são uma rosa sem perfume. Aqui tem de tudo, mas todo mundo só trabalha. Talvez, o Brasil seja um lugar para eu voltar na velhice”, resume.

*Trecho do artigo:  Mudança de 21,8 mil brasileiros para o exterior até julho supera quase toda a saída em 2018 “de Flavia Ayer (www.em.com.br10/08/2019)

Motivação

As pessoas estão desesperançosas no Brasil e isso não vem de hoje. É um movimento que se sente desde 2014, são pessoas brilhantes que poderiam estar produzindo no Brasil e ajudando o país a evoluir que estão indo para outro país. O lado positivo é que acabam mantendo o vínculo de negócios com o Brasil.

Segundo o levantamento, a violência foi o motivo mais mencionado(56%) que as levou a mudar de país entre quem chegou a partir de 2014 nos Estados Unidos (EUA). Na sequência, aparecem instabilidade política e corrupção (47%), instabilidade econômica (45%) e baixa qualidade de vida em geral (45%).

Destino Estados Unidos

A onda imigratória de brasileiros vem tomando corpo desde 2016, quando acrise política e econômica se agravou e houve o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Enquanto em 2015, 14.920 deixaram o país em definitivo, no ano seguinte, esse contingente subiu 41%, chegando a 21.040. O levantamento mostra também que, de 2011 a 2018, houve um aumento de 183% nas declarações de saída definitiva, que passaram 8.170, em 2011, para 23.149.

Ao deixar o Brasil, além da busca por melhor qualidade de vida, os brasileiros também visam oportunidades de trabalhar, empreender ou investir em um mercado mais consolidado e que oferece melhores perspectivas de prosperidade.